A máscara

Ela estava acostumada a ser a malvada. A culpa era sempre sua – de tudo e de nada. Pedia desculpas antecipadamente por ter a certeza de que, ao fim, as primeiras palavras que sairiam de seus lábios seriam exatamente essas: me desculpe.

Por hábito, talvez, tornou-se cada vez mais fácil vestir aquela máscara e tornar-se a Malvada, como era esperado que o fizesse. E quando mais uma vez seu coração se quebrava, perguntavam a ela o que havia feito de errado – o que ela havia feito de errado.

Mesmo que ela não houvesse feito absolutamente nada.

A máscara tornava-se mais pesada a cada dia. Seus olhos gritavam, mas de sua garganta não mais saíam os seus pensamentos. Eles se fechavam sobre si mesmos transformando-se em labirintos, caracóis, porcos-espinhos. Ai de quem tentasse tocá-los.

Por muito tempo ela pensou que sua máscara fosse a de um palhaço – aquele que faz os outros rirem para esconder sua sempre presente tristeza. Percebeu por fim que, na verdade, a máscara que a cobria era a de um carrasco.

Que seja, façamos nosso trabalho, então.

Anúncios

Autor: Lis

A wicked witch.

Uma consideração sobre “A máscara”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s