“Amo a cultura japonesa”

O que faz com que o ser humano sinta admiração por uma cultura que não a sua própria? Por que nos apaixonamos por determinados povos, países e costumes e, por outros, não? Qual o julgamento de valor que fazemos quando dizemos “amo o país X”, “a cultura do povo Z é linda”, “sou apaixonado pela cultura do país Y”?

japan culture set designDesde criança, sempre admirei o Japão. Mamãe acha que é coisa de outras vidas, porque desde os três anos eu via orientais, meus olhinhos brilhavam e eu ficava alegre, apontando o dedinho e dizendo que era alguém do Japão. Assisti a todos os programas de tv japoneses que bombaram nos anos 80 e 90, tudo quanto é tokusatsu e anime. Aprendi a comer de hashi com uns doze anos. Deixei de cursar jornalismo para fazer Letras Português-Japonês. Queria, mais que tudo, ir para aquele país, conhecer tudo, falar fluente o idioma, entender a cultura.

No primeiro dia de aula na faculdade, a professora fez aquela fatídica pergunta: por que você escolheu este curso? A maioria absoluta das respostas era “porque gosto da cultura japonesa” – ao qual a referida professora, rainha do deboche e PhD em comentários cínicos, replicava:

E O QUE VOCÊ ENTENDE POR CULTURA JAPONESA?

Invariavelmente, o que amamos é a imagem idealizada de um dado país/povo/cultura. Para a maioria dos japoneses, o Brasil se resume a futebol, samba e Carnaval. Para a maioria dos brasileiros, o Japão se resume a gueixa, samurai e peixe cru. Não vou nem entrar no mérito das imagens depreciativas – nós com o nosso jeitinho e malícia, a malandragem, a mulher latina sempre tão sexualizada; eles com a ideia da mulher submissa, “flango flito”, e o mito do pênis pequeno – mas sempre vamos cair primeiro nessas armadilhas do que está no inconsciente coletivo e do que é propagado na mídia.

Em 2020, completo vinte e um anos de convivência com japoneses e descendentes. Quando fui ao Japão, nos idos tempos de 2004/2005, já tinha lá meus vinte e poucos anos. Já não era mais a adolescente encantada pelo Japão, o qual imaginava como o paraíso na Terra. Eu sabia que iria me deparar com uma cultura e modo de vida completamente diferentes, e tudo o que vivi lá e tenho vivido lidando com japoneses me fez valorizar muito mais a cultura do meu próprio país, e entender que não podemos colocar a cultura do país X e do país Y em lados opostos da balança. Cultura não se mede dessa forma simplista.

Na verdade, cultura não se mede. Cultura é toda manifestação de um povo. Cultura é.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s