Dores, amores

O primeiro amor foi uma facada no peito Uma ferida aberta na água salgada A embriaguez etérea, a ressaca O retorno do boêmio ao bar Inefável, infalível pedestal E quando acabou, tu juravas que morreria Que não haveria outro dia - Mas o dia veio. O segundo amor foi um estilhaço de vidro Curando aquela … Continue lendo Dores, amores

Anúncios

Céu de maio

Quando eu era feliz Não havia rancor Não havia sombra alguma da dor Que um dia me abraçar viria Quando eu era feliz Apenas torpor havia - Enroscado entre as pernas debaixo de suado lençol - A promessa desfeita não havia Se aberto como ferida pútrida em carmesim Quando eu era feliz Não havia o fogo … Continue lendo Céu de maio

A roda

Na roda do tempo roda o rodamoinho da vida a borda vivida se desfaz lívida entorna no entorno adorno torto que se transborda e roda, rodopia dentro de si, de mim, de nós a roda do tempo revolve retorna ao início do fim do início e enfim cai dentro da redoma de vidro envidraçada pelos … Continue lendo A roda

Bem-vinda

A casa minha a me saudar Em toda sua simples desordem Diz-me "Bem-vinda, viajante! Até o dia em que o vento cortante lhe fizer Descer a serra - e que breve seja a despedida E longa a tua vinda" Bem-vinda O gato a me desconfiar Deita-se em meu colo - e o meu consolo É … Continue lendo Bem-vinda

Casmurra

Há noites em que o manto da Insegurança me cobre as espáduas E não mais vejo teu rosto sob a luz do sol Teus castanhos olhos me parecem enviesados - oblíquos, desgarrados Aperta-me o peito a bigorna da incerteza Mas és tão feliz! Sabes que isto é fruto de tua fértil imaginação - diz-me a … Continue lendo Casmurra

Trinta e quatro

Entre as rugas e cabelos brancos Quilos ganhos, chances perdidas Entre os dias a se acumular no calendário e algumas despedidas O renovado desejo de seguir em frente: Com amores, amigos, falhas e acertos Aceitando-me com todos os meus defeitos Aprendendo quem sou eu a cada esquina.